S'Agaró | St. Feliu de Guíxols

S´Agaró, repartido nos termas municipais de Sant Feliu de Guíxols e Castell-Platja d’Aro, se transforma em um espaço elegante de equilíbrio entre arquitetura e natura, um oásis singular onde se tem um grande respeito pela paisagem.

Visitas Culturais

MUSEU DALI FIGUERAS

MUSEU DALI FIGUERAS

O Teatro-Museu Dalí, o maior objeto surrealista do mundo, ocupa o edifício do antigo Teatro Municipal, uma construção do século 19 que foi destruída no final da Guerra Civil Espanhola. Em suas ruínas, Dalí decidiu criar o seu museu.


Floretas de BRUXAS e BANDIDOS

Floretas de BRUXAS e BANDIDOS

Forma interessante de conhecer os fenômenos de feitiçaria e banditismo no contexto da era barroca em um espaço específico, florestas de Montseny, Guilleries e Lluçanes.
É composto de rotas rurais para caminhadas e passeios de bicicleta e as cinco populações eventos relacionados, são mantidos os mesmos tópicos:
-Feira de bruxas em Sant Feliu Sasserra
-Verão Bandolero e dança de Bruxas em Viladrau
-A Feiticeira e volta Serrallonga! em Sant Hilari Sacalm
-Feira Rocaguinarda em Olost
-Feira terra de Bruxas e Bandoleiros em Arbúcies.
Monastir de Sant Feliu de Guíxols

Monastir de Sant Feliu de Guíxols

Mosteiro. Fundou-se como mosteiro benedito sob a advocação do mártir Sant Feliu o Africano. É o conjunto arquitectónico mais importante da cidade, e o que, do mesmo modo, o identifica mais. A documentação encontrada data da primeira metade do séc. X. O recinto amuralhado tinha treze torres e cinco portais dos quais se conservam actualmente só duas torres e um portal. As muralhas chegavam até à avenida Vidal e fechavam o recinto pela praceta San Juan, o Passeio e o Mosteiro. No ano 1696, o recinto amuralhado foi destruído pelos franceses de forma que actualmente não se conserva praticamente nada. O edifício barroco do mosteiro data do séc. XVIII é só uma parte do milenar conjunto fortificado, onde podemos dizer que se misturam todos os estilos arquitectónicos, desde o pré-romântico até ao barroco; assim é difícil averiguar a função de cada um dos seus elementos. Actualmente, o mosteiro é a sede do Museu de História da Cidade. A Porta Ferrada do séc. IX-X é o elemento arquitectónico que resta num dos lados do mosteiro, e é formada por três arcos de ferradura sustentados por quatro colunas cilíndricas de um metro de altura aproximadamente. O Arco de Sant Benet (1747) é a porta que está situada diante do mosteiro e era a entrada para o recinto do mosteiro benedito. As torres do Fumo (séc. X-XI) e do Corn (séc. XI) apoiam a fachada da igreja; a torre do Fumo é de planta semicircular e é desde onde se faziam sinais de fumo quando o vigilante via o inimigo chegar pelo mar, e queria avisar o povo da presença dele. A torre do Corn é de planta rectangular, e é desde onde se tocava o corno, também para avisar o povo da presença dos inimigos. Sobre velhas construções, os monges mandaram construir a igreja monacal (séc. IX-XV). A primeira fase é de estilo românico (séc. IX-XIV). Esta corresponde à frente da igreja e ao primeiro troço da sua nave. O Cristo, apesar de ser de procedência navarra, também é românico. Durante os séculos XIV e XV, ampliou-se a igreja, é a parte gótica do templo que inclui o resto da nave, o cruzeiro, três absides com janelas com arcos ogivais, voltas e chaves de volta decoradas. A titular, com Sant Feliu, é a Virgem Maria dos Anjos.
Passeio do Mar e Casa Patxot

Passeio do Mar e Casa Patxot

Passeio do Mar. É um elemento urbano essencial na nossa cidade que se iniciou em 1833 com a colaboração de todos os guixolencs, houve um espaço e o lugar dos encontros e das festas que sofreu alterações urbanísticas ao longo do tempo. A avenida do Portalet secciona o Passeio, o do Mar a Oeste e o dos Guíxols a Este. No Passeio, situam-se diferentes Casas Senhoriais: no núm. 19-20, a Casa Limpiadera, construída em 1904 por Pere Pascual y Baguer; no núm. 21, a Casa Sibils, que data de 1892 por obra Pere Pascual y Baguer; no núm. 40, a Casa Patxot, agora Câmara de comércio, Indústria e Navegação, onde se apreciam elementos modernistas e detalhes novecentistas imbuídos de um certo classicismo, foi reformada entre 1917 e 1920 pelo arquitecto Albert Juan y Torner. No seu telhado, durante anos, houve um observatório astronómico.
O Museu da boneca

O Museu da boneca

Localizado no antigo Castell d'Aro, na sede da Câmara Municipal, como parte de um conjunto
declarou um "Good Nacional de Interesse Cultural" pelo Governo da Catalunha em 1995.
Castelo Benedormiens

Castelo Benedormiens

Benedormiens Castelo, casa da cidade de Castell d'Aro, está documentado pela primeira vez o ano de 1041, quando as autoridades religiosas, dos nobres e senhores do território, entregue ao Mosteiro de Sant Feliu de Guixols custódia do castelo com a obrigação de proteger de ataques de muçulmanos em todo o Vall d'Aro.
Vila Romana Pla de Palol (frente do hotel Xaloc)

Vila Romana Pla de Palol (frente do hotel Xaloc)

Estas ruínas mostram-nos os segredos e mistérios da cultura romana. A descoberta deste mundo antigo mergulha os visitantes nas raízes da história destas terras. Por todas as contas, a cidade iniciou a atividade no ambiente do século I aC
e continua até o final do Império Romano, no século VI dC teria ocupado uma área de 10.000 m2, uma grande parte das quais correspondem a pátios e espaços construídos.
A moradia explorou os recursos naturais da terra, tanto na agricultura e no cultivo da videira, ea extração de barro para fazer cerâmica. Os produtos obtidos são exportados por via marítima através do porto natural que era Cala Rovira.
Es Tint

Es Tint

Antigamente, cada cidade costeira tinha um prédio, geralmente de uma guilda, que foi usado para tingir redes de pesca. Atualmente, existem muito poucos: na Costa Brava foram recuperados apenas dois: a construção de "Sa Perola" em Calella de Palafrugell e "Matiz Es" em Lloret de Mar.